A Importância da Mediação de Conflitos no Âmbito Jurídico

Recentemente, nossa advogada Dra. Thereza Emed teve a honra de participar da inauguração da Sede Estadual do Cejusc, localizada no fórum do Norte da Ilha em Florianópolis/SC. A presença da Dra. Emed nesse evento é um reflexo do compromisso do MSTA com a busca por soluções eficazes em acordos e mediação de conflitos.

Ao lado do Vice-presidente da UGF, Dr. Amilton Carniel Guimarães, e da Dra. Alessandra Monti Badalotti do jurídico interno da Cooperativa, a Dra. Emed testemunhou o comprometimento das autoridades locais em promover a resolução pacífica de disputas. O evento contou com a presença de figuras influentes como o Presidente do TJSC, Desembargador João Henrique Blasi, o Desembargador Silvio Dagoberto Orsatto, Coordenador do Cojepemec, e outros magistrados dedicados à justiça e mediação.

A atuação do Cejusc tem sido crucial para a UGF, que neste segundo semestre de 2023 encaminhou mais de 80 processos para mediação, obtendo êxito em grande parte deles. Essa estatística é um testemunho tangível do impacto positivo que a mediação de conflitos pode ter no campo jurídico.

A mediação é uma ferramenta poderosa, capaz de promover entendimento e resolução de litígios de forma mais rápida e menos adversarial. É com entusiasmo que apoiamos e participamos de iniciativas como a do Cejusc, que fortalecem a cultura da mediação e contribuem para um sistema jurídico mais eficiente e justo.

No MSTA, estamos comprometidos em oferecer as melhores soluções para nossos clientes, e a mediação de conflitos é uma peça essencial nesse processo. Continuaremos a colaborar ativamente com instituições e eventos que promovam essa prática, visando um ambiente jurídico mais harmonioso e eficaz para todos.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.