Cobrança de IPTU 2023 em Curitiba

No Município de Curitiba, o IPTU 2023 terá vencimento em 20 de abril, com desconto de 10% para pagamento à vista – até o ano passado, o desconto era de 4%. Além disso, o imposto poderá ser pago em até dez vezes.

Por conta da Lei Complementar nº 136/2022, que atualizou a Planta Genérica de Valores (PGV), aprovada em dezembro de 2022 e que serve de base de cálculo do imposto, é necessário cumprir um prazo de no mínimo 90 dias para a emissão dos boletos de IPTU. Assim, neste ano o vencimento do imposto, que geralmente era em fevereiro, foi adiado para abril.

A partir de 3 de abril os Correios começam a enviar os boletos para pagamento, nessa data também já será possível acessar os boletos pela internet ou pelo aplicativo “Curitiba App” – para isso, será necessário informar a Inscrição Imobiliária e Sublote ou a Indicação Fiscal do Imóvel, além do CPF ou CNPJ.

O pagamento poderá ser realizado nos bancos conveniados (Caixa Econômica Federal; Bradesco; Banco do Brasil; Santander; Itaú/Unibanco; Sicredi; Sicoob; Mercantil e Ailos), nos caixas eletrônicos ou por meio da internet. Também, será possível pagar por meio de cartão de débito ou crédito ou colocar em débito automático – para quem optar pelo débito automático, a primeira parcela será debitada no dia 28 de abril e as demais todo dia 20.

Para realizar o pagamento por meio de débito automático será necessário realizar a solicitação diretamente ao banco do contribuinte, 30 dias antes do vencimento da parcela e essa solicitação pode ser realizada mesmo após pagar as primeiras parcelas.

Nossa equipe de direito tributário fica à disposição para eventuais esclarecimentos a respeito do tema.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.