Despesas com aplicativos de delivery podem ser consideradas como insumo para fins de creditamento de PIS e COFINS

Como se sabe, o Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do REsp n.°1.221.170 sob o rito dos repetitivos, definiu que, para efeitos de creditamento das contribuições PIS/Cofins, o conceito de insumo deve ser construído com base em critérios de essencialidade ou relevância. Ou seja, deve ser levado em consideração a imprescindibilidade ou a importância das despesas incorridas para o desenvolvimento da atividade econômica desempenhada. Em consequência, e corretamente diga-se de passagem, foi declarada a ilegalidade das Instruções Normativas nº 247/2002 e nº 404/2004 da Receita Federal.

Nesse sentido, recentemente foi proferida sentença favorável pela Justiça Federal considerando que os serviços pagos à título de taxa de intermediação para aplicativos de delivery tem natureza de insumo e, dessa forma, geram direito ao aproveitamento de crédito de PIS e COFINS na modalidade não-cumulativa. No caso concreto, a empresa buscou o Poder Judiciário alegando atuar no ramo alimentício, bem que realiza a maior parte de suas vendas por meio de aplicativos de delivery – que cobram, em média, uma taxa de intermediação de 30% do valor do pedido realizado através da plataforma.

A sentença mencionada corretamente aplicou o entendimento pacificado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a respeito do conceito de insumo para fins de creditamento de PIS e COFINS, considerando que as plataformas de delivery são essenciais/relevantes para o desenvolvimento da atividade econômica desempenhada pelo Contribuinte.

Desta forma, é de grande importância que as empresas que utilizam determinados aplicativos de delivery se socorram ao judiciário para evitar o pagamento indevido de PIS/COFINS.

Nossa equipe de tributário fica à disposição para qualquer esclarecimento sobre o tema.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.