Isenção de imposto de renda em função de doença grave

O art. 6º, XIV, da Lei nº 7.713/88 prevê a isenção de Imposto de Renda sobre os valores recebidos à título de aposentadoria ou reforma (no caso de militares) em função de doença grave, mesmo que tenha sido contraída após a aposentadoria ou reforma. Tal isenção, também se aplica aos valores recebidos de fundos de previdência privada à título de complementação de aposentadoria, por força de entendimento proferido pelo Superior Tribunal de Justiça.

As doenças que se enquadram na isenção em questão são exclusivamente as seguintes: decorrente de acidente em serviço, portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, hepatopatia grave, estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante), contaminação por radiação, síndrome da imunodeficiência adquirida.

Importante destacar que a isenção não se aplica no caso de o beneficiário encontrar-se ativo, seja através de vínculo empregatício ou pelo exercício de atividade autônoma.

Para comprovar a condição de doença grave, é necessária a apresentação de documentos médicos reunidos desde o início do diagnóstico. Além disso, segundo entendimentos do Superior Tribunal de Justiça, não há necessidade de comprovar contemporaneidade de sintomas ou a recidiva e o sucesso no tratamento da doença grave não necessariamente afasta o direito à isenção.

No caso de aposentadoria perante o INSS, o pedido deverá ser feito perante ele e pode ser realizado pela internet, através do sistema “Meu INSS”, somente será preciso comparecer ao INSS se chamado para perícia médica. Caso o beneficiário seja servidor público, o pedido deverá ser direcionado ao órgão em que trabalhava, devendo observar o trâmite específico deste.

Ainda, vale ressaltar que é possível buscar a restituição do imposto pago desde o início da doença, o qual será devido devidamente acrescentado pela taxa SELIC até o recebimento.

Nossa equipe de direito tributário fica à disposição para eventuais esclarecimentos a respeito do tema.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.