Novos tratamentos incluídos no rol da Agência Nacional de Saúde (ANS) para tratamentos de câncer

Após debates, ocorreu a 588ª Reunião da Diretoria Colegiada, com a inclusão no Rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) o Olaparide em associação com a Bevacizumabe, para tratamento de carcinoma epitelial avançado de ovário e Darolutamida, para tratamento de câncer de próstata metastático.

No que tange ao Olaparibe em associação com o Bevacizumabe, o parecer favorável dos diretores da ANS decorreu da manifestação social, sendo possível concluir que o uso das tecnologias reduziu significativamente o risco de progressão da doença em 67% e o risco de morte em 38% no grupo HRD positivo, afirmou a gerente-geral de Regulação Assistencial (ANS) – Ana Cristina Marques Martins.

Já com relação ao Darolutamida, a representante da agência reguladora mencionou que as evidências apontaram para ganhos em sobrevida global e sobrevida livre de progressão. 

Com isso, denota-se a atualização constante dos procedimentos previstos no Rol da Agencia Nacional de Saúde (ANS) que direcionam tanto as empresas que atuam com a saúde suplementar, bem como os seus respectivos usuários.

Nossa equipe de direito médico fica à disposição para maiores esclarecimentos.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.