O papel da empresa no vazamento de dados

Uma pesquisa realizada pela Escola de Proteção e Defesa do Consumidor da Fundação Procon de São Paulo (EPDC/Procon-SP) apontou que nada menos do que 27,23% dos consumidores entrevistados já tomaram conhecimento de que algum de seus dados pessoais foi vazado, sendo que em mais da metade dos casos o vazamento lhes trouxe algum prejuízo. Não sem razão, dentre as vítimas de vazamento de dados, 36,74% acabaram tomando medidas judiciais e/ou administrativas para sanar o prejuízo.     
Assim, com o crescente aumento de vazamento de dados e cerca de uma em cada três vítimas destes vazamentos disposta a tomar medidas para afastar o dano – percentual que tende a aumentar daqui para frente – surge a necessidade de as empresas estabelecerem políticas de armazenamento e compartilhamento de dados para não sofrerem ações e perda de credibilidade no mercado.

E ao contrário do imaginário público estes vazamentos não são apenas perpetrados por hackers encastelados em porões, munidos com supercomputadores e conhecimentos amplos em tecnologia. Na imensa maioria das vezes os danos são gerados pela própria empresa: documentações extraviadas ou mal armazenadas, publicações indevidas em sites e redes sociais, colaboradores que espalham informações em grupos de WhatsApp e rodas de amigos… Em boa parte dos golpes, tudo o que o criminoso tem a fazer para obter as informações que necessita é passar alguns minutos nas redes sociais da empresa eleita como alvo.

A solução para isto é a implementação de políticas de privacidade claras para a empresa e seus funcionários. Não há uma “receita de bolo”, a qual sirva para todos os casos, mas com algumas medidas simples já se consegue mitigar muitos danos possíveis. 

Caso deseje mais informações sobre como evitar problemas como este ou esteja enfrentando problemas com vazamento de dados, nosso escritório está à disposição para atendê-lo.           

Segue o link para a pesquisa do EPDC/Procon-SP: https://www.procon.sp.gov.br/wp-content/uploads/2021/07/Relatorio_LGPD.pdf  

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.