Parecer sobre as primeiras impressões quanto a Lei nº 14.454/2022

Em atenção a necessidade de maiores esclarecimentos sobre a Lei nº 14.454/2022 e suas primeiras impressões, os jurídicos da UNIMED GRANDE FLORIANÓPOLIS e UNIMED FEDERAÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, elaboraram conjuntamente um material em forma de Parecer com a seguinte abordagem:

  • A questão da inaplicabilidade da Lei nº 14.454/2022 aos contratos já vigentes e consolidados à época da nova redação dada ao artigo 10, §§ 4º, 12 e 13, incisos I e II, da Lei nº 9.656/98;
  • A taxatividade do rol que não restou suplantada pela nova lei e a excepcionalidade admitida seguindo as diretrizes ditadas pela recentíssima decisão do STJ no julgamentos dos EREsp nº 1886929 / SP e EREsp nº 1889704 / SP;
  • A correta interpretação a ser dada ao contido nos incisos I e II do § 13 da Lei nº 9.656/98, especialmente ao que pode entender como ciências da saúde, baseadas em evidências e plano terapêutico e órgãos técnicos” que seja capaz de suplantar o rol da ANS;
  • A Força Vinculante da Decisão do STJ sobre o rol, a qual deverá ser observada pelas instâncias ordinárias nos termos da justiça de precedentes implementada pelo CPC/15.

O material foi divulgado recentemente no Comitê Estadual das Singulares pertencentes ao Sistema Unimed no Estado de Santa Catarina, ficando franqueado as interessadas em divulgar o assunto aos Juízes das Comarcas de principal atuação de cada singular para evitar interpretações precipitadas sobre novo regramento e reforçar o entendimento sobra a taxatividade do rol conforme entendimento do próprio STJ.

Em conjunto com outros advogados do sistema Unimed, o Dr. Márcio Cavenague participou do estudo e, junto com a equipe de direito médico do escritório, fica à disposição para maiores esclarecimentos.

Clique aqui para download do parecer

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.