Prescrição intercorrente tributária – controvérsia superada

O Supremo Tribunal Federal (STF), finalizou em 17/02/2023 o julgamento que versa sobre a prescrição intercorrente prevista na Lei de Execuções Fiscais (Lei nº 6.830/80), entendendo pela sua constitucionalidade.

A prescrição intercorrente, nos termos da referida Lei, ocorre quando não há êxito em localizar o devedor ou bens penhoráveis de sua titularidade, após decorrido o período de um ano de suspensão do processo e, subsequentemente, o prazo prescricional regular de 5 (cinco) anos. Encerrado esse período, a Fazenda Pública perde o direito de cobrar o valor devido pelo contribuinte.

Segundo os Ministros do STF, o disposto na Lei de Execuções Fiscais não se sobrepõe ao disposto na Constituição Federal, segundo a qual normas gerais em matéria tributária devem ser disciplinadas por meio de lei complementar – enquanto a Lei de Execuções Fiscais é ordinária. Isso porque, a Lei de Execuções Fiscais não altera o prazo prescricional de cobrança, mas somente estabelece um marco processual de contagem do prazo que poderia ser disciplinada por lei ordinária.

O Tema 390, fixado sob o regime de repercussão geral, foi o seguinte: “É constitucional o art. 40 da Lei nº 6.830/1980 (Lei de Execuções Fiscais – LEF), tendo natureza processual o prazo de 1 (um) ano de suspensão da execução fiscal. Após o decurso desse prazo, inicia-se automaticamente a contagem do prazo prescricional tributário de 5 (cinco) anos”.

Caso tenham mais dúvidas sobre o tema, a equipe tributária do escritório MSTA está à disposição para auxiliar.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.