Receita Federal do Brasil (RFB) regulamenta novas obrigações de Imposto de Renda sobre aplicações em fundos de investimento.

No final de 2023 a Receita Federal do Brasil (RFB) publicou a Instrução Normativa RFB n° 2166/2023 a qual dispõe sobre o recolhimento do imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos apurados nas aplicações nos fundos de investimento.

Como se sabe, até 31/12/2023 os rendimentos apurados em decorrência das aplicações nos fundos de investimento que não estavam sujeitos à tributação periódica nos meses de maio e novembro de cada ano, todavia, a partir de 2024 ficarão sujeitos à alíquota de 15% do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF).

A respectiva Instrução Normativa estabelece que tais montantes serão apropriados pro rata tempore até 31 de dezembro de 2023 e ficarão sujeitos à incidência do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte – IRRF à alíquota de 15% (quinze por cento), devendo ser considerada a diferença positiva entre o valor patrimonial da cota em 31 de dezembro de 2023, incluídos os rendimentos apropriados a cada cotista, e o custo de aquisição calculado de acordo com as regras previstas nos §§ 2º, 3º e 4º do art. 17 da Lei nº 14.754, de 2023.

Nesse caso, cabe ao administrador do fundo de investimento realizar a retenção do tributo e recolher (i) à vista, até 31 de maio de 2024; ou (ii) em até 24 (vinte e quatro) parcelas mensais e sucessivas, com pagamento da primeira parcela até 31 de maio de 2024 devidamente corrigido pela SELIC acumulada mensalmente, calculados a partir do mês de junho de 2024, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado.

Nossa equipe de direito tributário fica à disposição para eventuais esclarecimentos.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.