Superior Tribunal de Justiça (STJ) decide que o ICMS deve compor a base de cálculo do IRPJ e CSLL apurados sob o regime do Lucro Presumido

O Superior Tribunal de Justiça, em 10/05/2023, encerrou o julgamento do Tema 1008 em sede de recurso repetitivo, entendendo que “O ICMS compõe a base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), quando apurados na sistemática do lucro presumido”.

O tema é uma das “teses filhote” do Tema 69 do STF, a chamada “tese do século”, o qual definiu que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da Cofins e se desdobrou em diversas discussões envolvendo a inclusão de impostos na base de cálculo de outros tributos. 

O início do julgamento havia sido considerado favorável aos contribuintes, com posição guiada pela Ministra Regina Helena Costa, segundo a qual o posicionamento do STF poderia ser estendido ao caso em discussão, pois o valor do ICMS não se incorporaria ao patrimônio do contribuinte, sendo um mero ingresso de caixa, motivo pelo qual não serviria para integrar a base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

No entanto, a posição defendida pelo Ministro Gurgel de Faria, em voto divergente, acabou prevalecendo no julgamento encerrado no dia 10/05/2023, adotando o entendimento de que o Tema 69 STF não excluiu o ICMS em caráter definitivo do conceito constitucional de receita para todo e qualquer fim tributário.

O Ministro destacou que a razão de decidir da STF naquela oportunidade não se aplica quando houver a facultatividade do regime de tributação: “Não é cabível, assim, combinar um regime favorecido com características do regime geral de tributação e criar terceiro gênero ainda mais benéfico“. Explicou, ainda, que “Para a contribuição do PIS e Cofins, a receita constitui a própria base de cálculo. Já para IRPJ e CSLL, representa apenas parâmetro de tributação, sendo esta outra distinção relevante“.

Nossa equipe de direito tributário fica à disposição para eventuais esclarecimentos a respeito do tema.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.