Superior Tribunal de Justiça (STJ) permite abatimento de ágio interno da base de cálculo do IRPJ/CSLL apurados pelo Lucro Real

Em 19 de setembro de 2023, o Superior Tribunal de Justiça publicou Acórdão no Recurso Especial nº 2.026.473/SC, permitindo a dedução do “ágio interno” da base de cálculo do IRPJ e CSLL pelo lucro real, utilizados sob a égide da legislação anterior à Lei 12.973/14.

Isso porque, a Receita Federal do Brasil (RFB) promoveu a glosa de despesa de ágio amortizado decorrente da realização de operações societárias entre sociedades dependentes (no caso, através de empresa-veículo), ante justificativa de ausência de propósito negocial das referidas operações.

Entendeu o Fisco que, embora se tenha o preenchimento dos requisitos legais pelo contribuinte, o ágio interno vinha sendo utilizado como método de redução ilícita da carga tributária, com a simulação de investimentos em negócios jurídicos sem propósito negocial/econômico de fato.

Face a isso, adotou a presunção de inexistência de propósito negocial das operações realizas entre sociedades de um mesmo grupo econômico.

Não obstante, segundo entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não pode a Receita Federal presumir a ausência do caráter negocial dessas organizações societárias e, por isso, impedir o abatimento do ágio.

Tendo o contribuinte justificado o ágio pelos fundamentos econômicos estabelecidos pelo art. 7º e 8º da Lei nº 9.532/97 e, após sua aquisição, havendo a absorção do patrimônio da pessoa jurídica em razão de incorporação, cisão ou fusão societária, tem-se possibilidade de dedução do ágio interno.

Assim, somente nos casos em que houver, pelo Fisco, a demonstração individualizada de simulação de negócio jurídico de investimento pela pessoa jurídica, é que estaria autorizada a impedir o abatimento do benefício fiscal.

O referido entendimento adotado no REsp nº 2.026.473/SC pelo STJ abre precedente favorável ao contribuinte, ao reforçar os argumentos acerca da impossibilidade de vedação infundada de abatimento do ágio interno da base de cálculo do IRPJ e CSLL no lucro real pelo Fisco.

Para maiores esclarecimentos, nossa equipe de direito tributário está à disposição.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.