Limitação da compensação tributária, reoneração da folha de pagamento e encerramento do PERSE – Impactos da Medida provisória n° 1202/2023

Publicada em 29/12/2023, a Medida Provisória (MP) nº 1.202/2023 trouxe algumas surpresas para os contribuintes: limitação da compensação de valores reconhecidos em decisões judiciais, reoneração da folha de pagamentos e o fim precoce dos benefícios do Perse. Vejamos as principais inovações de cada ponto.

  1. Limitação da compensação de valores reconhecidos em decisões judiciais:

A MP nº 1.202/2023 prevê que a compensação de crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado deverá observar limite mensal a ser estabelecido em ato no Ministro de Estado da Fazenda, sendo que este limite: i) será graduado em função do valor total do crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado; ii) não poderá ser inferior a 1/60 do valor total do crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado e iii) não poderá ser estabelecido para crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado cujo valor total seja inferior a 10 milhões de reais.

  1. Reoneração gradual da folha de pagamentos:

A desoneração da folha de pagamento existia desde 2012 e havia previsão de encerramento em 2023, através dela, empresas de diversos setores podiam substituir a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha de pagamentos por alíquotas que variam de 1% a 4,5% sobre a receita bruta. Com a chegada do fim do prazo, o Congresso Nacional decidiu por prorroga-lo até 2027 e, em que pese a iniciativa tenha sido vetada pelo Governo Federal, o veto acabou sendo derrubado pelo Congresso, mantendo a desoneração por meio da Lei nº 14.784/2023.

No entanto, o Governo Federal voltou a firmar seu posicionamento com a publicação da MP nº 1.202/2023, revogando a Lei nº 14.784/2023 a partir de 01/04/2024.

Em substituição, a MP propõe novo modelo, dividido em dois grupos, o primeiro inclui 17 atividades, como o transporte ferroviário e rodoviário de carga e desenvolvimento e licenciamento de programas, neste as empresas começarão pagando uma alíquota de 10%, com aumento progressivo ao longo dos anos, até voltar ao patamar de 20% em 2028. O segundo grupo contempla 25 atividades, dentre as quais estão a construção de rodovias e ferrovias e edição de livros, jornais e revistas, aqui a alíquota iniciará em 15% em 2024, também aumentando progressivamente ao longo dos anos e alcançando 20% em 2028.

Além disso, estas alíquotas reduzidas somente serão aplicadas sobre o salário de contribuição do segurado até o valor de um salário mínimo, acima desse valor haverá a incidência da alíquota cheia de 20%. Também, a MP exige uma contrapartida das empresas face o direito à desoneração, devendo se comprometer a manter a quantidade de empregados igual ou superior à verificada em 1º de janeiro de cada ano.

  1. Fim dos benefícios do PERSE:

O benefício instituído em meio a Pandemia de Covid-19 reduzia a zero as alíquotas de IRPJ, CSLL, PIS e Cofins, com previsão de encerramento em 2027.

Com a MP 1.202/2023, os benefícios de CSLL, PIS e Cofins ficam revogados a partir de 01/04/2024 e o benefício relativo ao IRPJ fica revogado a partir de 01/01/2025.

Aponta-se iminente possibilidade de judicialização em função das alterações trazidas pela MP 1.202, seja com relação à restrição indevida de crédito já reconhecido judicialmente, seja em função da ausência de urgência e relevância que justifiquem a edição de uma Medida Provisória no que se refere às matérias tratadas pela MP nº 1.202/2023.

Nossa equipe de direito tributário fica à disposição para qualquer esclarecimento sobre o tema.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.