Tema 630 e 684: STF declara a constitucionalidade da incidência do PIS e COFINS sobre ganhos empresariaiscom a locação de bens

Na última quinta-feira (11/04/2024), o Supremo Tribunal Federal (STF) retomou o julgamento dos Temas 630 e 684 (RE 659412 e RE 599658) e declarou a constitucionalidade da incidência da contribuição ao Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) sobre as receitas auferidas com o aluguel de bens pela pessoa jurídica que tenha a locação como atividade empresarial.

Em uma votação de 8×2, a Suprema Corte seguiu o entendimento do Ministro Alexandre de Moraes, no sentido de que, “considerando que o resultado econômico dessa operação [locação] coincide com o conceito de faturamento ou receita bruta, tomados como a soma das receitas oriundas do exercício das atividades empresariais” há seu enquadramento à base de cálculo do PIS e da COFINS, nos termos do art. 195, inciso I, “b” da Constituição Federal.

Com isso, constitucional a tributação sobre as receitas auferidas com a locação de bens desde a instituição das referidas contribuições pela União Federal, em 1988.

Em contrapartida, os ministros vencidos Marco Aurélio e Luiz Fux entendiam que somente haveria a incidência do PIS e da COFINS sobre os ganhos decorrentes de aluguéis de bens a partir da vigência das Leis nº 10.637/02 e 10.833/03. Segundo os ministros, antes de suas edições, o faturamento era entendido como a receita bruta auferida apenas com a alienação de bens e a prestação de serviços, não abrangendo a receita decorrente de locação.

O entendimento não foi acatado pelos demais membros presentes no julgamento, sob fundamento de que não havia impedimento quanto à tributação em momento anterior à edição das referidas leis.
A tese aprovada pelo STF é favorável aos interesses da União Federal, que estimava na Lei de Diretrizes Orçamentárias um prejuízo total de R$ 36 bilhões em caso de derrota, sendo R$ 16 bilhões com a locação de bens imóveis e R$ 20 bilhões com a locação de bens móveis.

Para maiores esclarecimentos, a equipe de direito tributário do escritório MSTA está à disposição.

Últimos Posts

Receita Federal do Brasil (RFB) publica solução de consulta sobre a cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país

Foi publicada Solução de Consulta COSIT nº 184/2024, a qual trata acerca da cessão temporária de criptomoedas fungíveis como retribuição mensal paga por pessoa jurídica domiciliada no país. No caso, foi analisada uma empresa Trader que realiza contrato de Uso e Gozo do bem digital, mediante pagamento de locação mensal em que pode haver o saque para moeda fiduciária ao final ou mantidas em uma carteira de exchange.